O que você deseja compartilhar hoje?

O que você deseja compartilhar hoje?

Não importa a plataforma ou a mídia, dizemos muito do que pensamos ao apoiar o que outras pessoas escrevem, fazem, falam. Todos os dias somos bombardeados por milhões de informações e algumas delas acabam nos tocando mais do que outras. E o botão de compartilhar, a evolução direcionada do ctrl+c / ctrl+v, está ali sempre pronto para deixar público ou direcionado o que você pensa. E uma reflexão deve ser sempre parte dessa ação: tudo que você passa para frente é uma escolha e ninguém é obrigado a ter uma opinião sobre tudo.

Como a nossa presença no “mundo real” e no “mundo virtual” não são dissociadas, é importante entender o impacto do seu posicionamento não apenas na formação de seus valores e personalidade, mas também no seu relacionamento externo. É estar procurando um novo emprego e compartilhar mensagens que depreciam seu ambiente atual de trabalho ou simplesmente que você “odeia segundas-feiras”, por exemplo. Pode parecer pouco, mas pense um pouco sobre o que você tem visto nas redes sociais e fez com que você mudasse um pouco a percepção que tinha daquela pessoa?

Tenho grande admiração por pessoas com que tenho pouco convívio diário pelas escolhas do que elas compartilham e concordo, passei a considerar algumas coisas por essa curadoria feita por outras pessoas (esse post da Clara Averbuck é uma leitura quase mensal e diz muito de uma coisa que concordo: “Que sorte eu ter encontrado as pessoas certas que me fizeram enxergar e aprender que dava pra ser melhor. Ainda estou aprendendo. Espero nunca parar.” ) e gosto de acompanhar algumas pessoas que falam sobre coisas que discordo, mas se posicionam com uma autoridade bem embasada e possuem justificativas relevantes e interessantes. Da mesma maneira, vejo pessoas que acabam perdendo um pouco da medida no que defender ou refutar e no jeito como fazem isso, trazendo muito preconceito, notícias falsas e alarmantes e uma postura pouco profissional (mesmo sabendo que aquele pode ser um ambiente informal, é bom manter o básico nos relacionamentos, especialmente respeito e a discrição).

Não é para sermos robôs corporativos, pensando 100% em trabalho. Não existe uma polícia do “não pode gif, não pode vídeo de gatinho, não pode receita, não pode foto de férias ou balada”. Só não se esqueça que as pessoas estão vendo aquilo: redes sociais são um palanque e um megafone. Tudo pode tomar uma proporção inesperada, pois não está sendo dito apenas para uma pessoa, mas para todo o seu círculo (e mesmo falando para só uma pessoa, os prints estão aí para mostrar como tudo pode se tornar público).

Escolha bem o que você quer que as pessoas vejam de você e quais são os seus assuntos de interesse, pense bem no seu nível de exposição e em como você lida com isso. E respeite o próximo, nunca se esqueça disso.

Quais temas fazem parte de seus interesses e possuem impacto em sua vida pessoa e profissional?

Fazem parte das minhas leituras (e frequentes compartilhamentos) assuntos como aprendizado, carreira, vida saudável, tecnologia e empoderamento feminino. Penso que eles somam muito ao meu desenvolvimento e reforçam muito do que acredito. E você?

Deixe uma resposta