A tolice do “eu só leio livro de business”​ (ou como você está perdendo várias coisas boas com esse pensamento)

livros de business

Ser especialista é um grande desafio, ninguém pode dizer o contrário. Mas se fechar em uma grande bolha pode ser um obstáculo para entender como essa especialidade pode ser aplicada no “mundo real”. Lendo um post bem legal do Pedro Renan sobre livros que o transformaram como empreendedor, a terceira indicação é Game of Thrones, o que pode parecer pouco usual nesse contexto. E uma frase me inspirou a escrever esse conteúdo: “Tudo depende do olhar que você dá ao que lê, ouve ou vê”.

Conversando sobre leituras, já ouvi a frase “eu só leio livro da minha área/business/técnico” algumas vezes e sempre achei aquilo bem interessante. Uma dessas pessoas respondeu isso quase como um julgamento quando disse que estava lendo Sobrevivente, de Chuck Palahniuk. Não, eu não estava lendo um livro sobre negócios, mas sobre os relatos de um sequestrador de avião contando o que o levou a aquele momento. Mas, em alguns momentos, podia ser interessante como um livro sobre marketing,por exemplo, com a construção da imagem de um mito, como os valores do fanatismo religioso e do mundo da fama podem ser parecidos. Só não ia conseguir de maneira nenhuma explicar isso para a pessoa que não consegue entender que o mundo vai bem além daquele mini mundo em que ela se encontra.

Mais do que livros e teorias, eu gosto de histórias. Isso foi o que mais me encantou em O caminho dos líderes, um dos meus últimos livros de 2016. A leveza das entrevistas, o conteúdo apresentado de uma maneira fora do lugar comum das revistas, sites e jornais. Fico muito animada em saber que um grande gestor consegue unir a pesca submarina ao seu cotidiano de desafios profissionais ou que um sonho de criança motivou uma trajetória de sucesso. E todos são mostrados exatamente assim, como pessoas, com seus defeitos, erros e mudanças de rumo sempre que necessário.

Três livros que li no meio do ano passado ficaram ainda mais interessantes por estarem em sequência na minha lista e acabaram se completando: Como a música ficou grátis – O fim de uma indústria, a virada do século e o paciente zero da pirataria, A loja de tudo – Jeff Bezos e a era da Amazon e Super Mario – How Nintendo conquered America (Nos bastidores da Nintendo). Indústrias diferentes da que estou inserida profissionalmente, mas que fazem parte do meu dia a dia, me ensinaram muito sobre temas como mudanças de mercado e público, criação de novos conceitos e como ter mais do que clientes, mas grandes fãs, entre tantos outros pontos interessantes. Como as linhas temporais são bem próximas, assim como em alguns livros de ficção, as histórias acabavam se misturando em alguns momentos e aquele conhecimento se tornava ainda mais rico. E nem preciso falar muito sobre O Poder do Hábito, já virou um clássico!

E um ponto sobre só ler livros técnicos que me incomoda muito é admitir que você está perdendo bons momentos de lazer – se preocupar apenas com trabalho não é muito saudável (quando você ler O caminho dos líderes vai perceber isso nos relatos, como o tempo com a família e com você mesmo pode fazer toda a diferença no seu sucesso). Tenho gostado de suspenses e algumas das minhas últimas leituras davam vontade de não parar de ler um minuto, como Menina má, Objetos Cortantes e O manuscrito.

Meus próximos livros já estão separados no Kindle ou na prateleira: A viúva Cliquot, Pense Simples e Americanah. Uma biografia, um sobre inovação e um romance. Equilíbrio só faz bem e pode ser muito mais útil do que estar apenas preso em seu mundo.

Quais as suas últimas/ próximas leituras?

Deixe uma resposta