A inevitável mudança de hábitos

A inevitável mudança de hábitos

O tempo parece passar cada dia mais rápido e somos bombardeados por novidades todos os dias. Umas mais fáceis de introduzirmos à nossa rotina, outras menos. Mas , se algumas coisas estão sendo direcionadas para o mais tradicional, como a alimentação e o consumo, apontando para uma valorização da produção local. no geral, a mudança vem acompanhada de tecnologia e otimização de tempo.

Aprender mudou

O ensino a distância não é o futuro, ele já é o presente. Os cursos livres disponíveis na internet colocaram à disposição das pessoas uma infinidade de chances de aprender sobre os conteúdos mais diversos com um clique. O presencial não vai acabar, ele é muito importante e traz uma proximidade dos envolvidos que é muito positiva. Mas ele precisa se reinventar.

A integração e introdução de novos suportes e dispositivos aos métodos de ensino, a diminuição das barreiras de pesquisa e a possibilidade de todos sermos produtores independentes de conteúdo precisa ser acompanhada pelas instituições de ensino e interessados em desenvolvimento. Como levar o “novo mundo” – nem tão novo assim – para um ambiente tão tradicional, quase antigo? Acho que esse é um desafio que ainda acompanharemos por alguns anos.

A leitura e seus novos suportes

A ideia do “eu gosto de pegar no livro, sentir cheiro de papel” ainda existe e é um preconceito constante para as pessoas evitarem novas possibilidades para os conteúdos. Já falei sobre como o Kindle mudou o meu hábito de leitura e agora tenho mais um item pra lista: os audiobooks. Quando começamos a comparar a praticidade de ter uma biblioteca inteira em apenas um dispositivo (seja ela um e-reader, tablet, notebook ou celular) e a facilidade de ler/ouvir a qualquer momento do dia, é uma boa hora para dar uma chance para as novas possibilidades.

Aumentei o volume de livros lidos por ano porque não preciso mais ficar carregando tudo que posso estar lendo ao mesmo tempo (e nem vou falar da praticidade para guias de viagem!) e agora também consigo ouvir enquanto estou no carro ou ônibus e até caminhando. O Audible é possui um grande número de obras (em inglês) e o 12minutos é repleto de resumos de não-ficção (algumas delas ainda inéditas em português para os livros impressos!).

Mas isso é bom ou ruim?

A chance de escolher o que é melhor para cada um é uma possibilidade para a maior parte dos casos. Mas cuidado para não perder o timing e ser atropelado pelas mudanças.

As locadoras já praticamente desapareceram com a popularização do streaming e o transporte particular,como táxis, já sente bem o impacto de serviços como Uber e Cabify. Os agregadores de imóveis são ótimas ferramentas para os corretores e imobiliárias que podem divulgar seus produtos para um grande número de pessoas e os apps para comunicação mudaram o relacionamento entre as pessoas.

Ainda gosto de escrever à mão nos meus cadernos, mas não consigo viver também sem a minha agenda do Google sincronizada com meu email, com lembretes, e compartilhada quando preciso marcar compromisso com mais pessoas.

Os livros em áudio me ajudam a passar o tempo de maneira produtiva enquanto vou de um lugar a outro, o que antes era impossível porque ler era certeza de enjôo e dor de cabeça com o movimento do carro ou ônibus.

E você? Mudou algum hábito recente com o apoio da tecnologia? E em quais momentos decidiu ser menos conectado?

Deixe uma resposta