Não confunda Autonomia com Síndrome do Pequeno Poder

sindrome pequeno poder ligia braga

Acredito muito em divisão de tarefas e em cada um entregando o que tem de melhor. Da mesma maneira, propostas de cada um controlando o seu tempo e seu método de trabalho são ótimos exercícios para a autonomia, mostrando capacidade de auto gestão. Desde que não atrapalhe as entregas, qual o problema em ter seus próprios processos? Mas isso não significa que você pode burocratizar os processos que estão na sua mão e impactar o trabalho de outras pessoas.

A psicologia tem um conceito interessante para esse tipo de atitude autoritária realizada após o recebimento de um pequeno poder e que acaba desconsiderando o entorno. Não importa a hierarquia nem o bom relacionamento, tudo deve ser feito apenas como aquela pessoa deseja, indo além do que que foi dado, extrapolando os limites do bom senso. É o funcionário que inventa mil objeções para que um serviço seja agilizado ou a pessoa que prefere controlar todos os processos para que continue se sentindo poderosa.

A síndrome do pequeno poder não tem nada de autonomia ou proatividade, apenas o desejo de se mostrar dono daquele momento/espaço. Acaba sendo uma contraposição à oportunidade que a pessoa está tendo de se organizar e mostrar a maturidade necessária para conduzir suas ações e até mesmo liderar. A melhor maneira de superar isso pode ser mostrar como a função de todos é necessária para o pleno andamento dos processos e projetos, trazendo um ar mais colaborativo e menos competitivo.

Você já passou por momentos assim no trabalho ou na vida pessoal?

Deixe uma resposta